quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Carta aberta ao Festival Roque Pense aponta presença de banda com integrante acusado de machismo e misoginia


O Cabeça Tédio, e eu, Carla Duarte, assinamos também a carta aberta que questiona a presença da banda Cretina no Festival Roque Pense. A banda tem um integrante acusado de machismo e misoginia e o festival privilegia bandas feministas e de mulheres. Denúncias não são exageros e a abertura de diálogos é fundamental. Todo apoio, suporte e força a sobrevivente.





Acionadores: machismo, misoginia, sobreviventes de situação de assédio e abuso























Não é de hoje que recai sobre a vítima o ônus de contar, recontar, confirmar e comprovar as agressões, ameaças e silenciamentos sofridos. O que se esperar de uma sociedade machista que culpabiliza a vítima e relativiza agressões? O que esperar dos mecanismos que sustentam e operam o patriarcado a não ser descrédito e indiferença? Porém, é neste cenário que a luta feminista se dá. No meio cultural essa batalha também se trava. Para cada mulher que empunha um instrumento ou um microfone, escreve uma letra, sobe ao palco ou produz um evento, milhares e milhares de situações de assédio, constrangimentos e relações de poder já foram reproduzidas. 

Ser mulher no meio musical é desafiar assédios e sexismos. É confrontar o machismo e lutar para que os espaços e oportunidades sejam abertos às mulheres. E é também exigir que os espaços sejam seguros. Que não reproduzam a norma opressora de desacreditar a vítima e seu relato, mas que antes de tudo, garanta que nenhum opressor será acobertado ou confortavelmente aceito. Se a arte e a cultura são ferramentas potentes para a propagação de ideias, cada projeto que se reivindica feminista se compromete a preservar o espaço e a fala da mulher. Se compromete a empoderá-la e fortalecê-la. Mas para isso se dar verdadeiramente é necessário romper diretamente com o machismo e todas as formas de opressão do patriarcado.

Diante disso tudo é que questionamos ao Festival Roque Pense e sua organização sobre a presença da banda Cretina, que entre seus integrantes possui um homem com graves acusações de machismo e misoginia. O festival acontece na Baixada Fluminense durante os dias que antecedem o Dia da Mulher e é famoso por receber inscrições de bandas de meninas de todos os lugares do Brasil, interessadas em fazer valer a promessa de um festival com música e intervenções culturais feministas! 

Temos certeza que muitas bandas talentosas e criativas e que verdadeiramente se engajam no combate ao machismo e no empoderamento feminino terão se inscrito e poderão ocupar o espaço que lhes é de direito. Numa sociedade machista, onde todos os lugares são acessíveis a machistas, chega a parecer provocativo que um machista tente não apenas transitar livremente, mas subir ao palco para mandar sua mensagem. Nós mulheres oprimidas uma vida inteira, nos recusamos a assistir a tudo isso como meras expectadoras e exigimos assim uma posição efetiva.

Se o lema deste ano é "‪#‎violênciaeunãosouobrigada"‬ reafirmamos que ‪#‎machistaseunãosouobrigada‬. 

Assinam esta carta
Coletiva Raiotagë
xereca
Belicosa
Vivá
Catilinárias
Teenage Micha
Tailor
Los Borges
Coletiva Leila Diniz
Bah Lutz
Canetão nosso de cada dia
Isabella Haru
Genice Silva
Cruz Eduardo
Marcela Valverde
Ana Luiza Marciano
Nathalia Sodré
Noélly Augustinho
Bonnie Misdemeanor
Rosario Amarante
Sofia Paiva
Beatriz Lopes
Cabeça Tédio

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Assista o primeiro show de Babes in Toyland após 13 anos de hiato

Trio anunciou show no Reino Unido


Foto: Billy Briggs/the Current

No dia 12 de fevereiro o bar Pappy and Harriet's, em Palm Springs, foi o palco do primeiro show de Babes in Toyland. Após 13 anos de hiato, Kat Bjelland, Maureen Herman e Lori Barbero fizeram um show de 50 minutos e tocaram clássicos como "Bruise Violet" e "He's My Thing" não faltaram. Mas, até agora o trio ainda não falou sobre uma volta permanente ou novos discos. A capacidade do bar era de 224 pessoas, 224 pessoas sortudas que viram que anos e anos depois elas continuam sendo fodonas.
 




"Jungle Train"




"He's My Thing"




"Bluebell"




"Oh Yeah"




"Spit to See the Shine"




"Bruise Violet"




"Right Now"




"Swamp Pussy"




"Won't Tell"




"Drivin"




"Ariel"




"Handsome & Gretel"




"Sweet '69"

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

"A New Wave", música do novo álbum de Sleater Kinney, tem clipe lançado

O vídeo foi realizado em parceria com os animadores do seriado Bob's Burguers



Sleater Kinney está na ativa e elas são destruidoras mesmo, viu viado? O clipe de "A New Wave", do álbum lançado em janeiro, No Cities To Love, foi lançado hoje. A produção é uma parceria com os animadores do seriado Bob's Burguers e mostra Janet, Carrie e Corin tocando no quarto da Tina Belcher. E olha, ficou muito do coração!





Depois dessa, só tenho uma coisa pra dizer:





quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

download: Beth Ditto faz cover de 'Killing me Softly'



A deusa Beth Ditto disponibilizou em sua fanpage, para download gratuito, o cover que ela fez da música Killing me Softly. Basta destravar o link e submeter o seu email ao mailing da vocalista do Gossip e pronto, você pode ouvir a canção em que Beth é acompanhada por um piano. Vale a pena, viu? Faça o download.


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Assista o primeiro show de Sleater Kinney em 9 anos

Até março, trio segue com a tour de No Cities To Love que passa por Estados Unidos e Europa 


Foto: Lance Bangs


Após um hiato de nove anos, Sleater Kinney voltou aos palcos no dia 8 de fevereiro. O show em Spokane (Whashington) foi o primeiro da tour de No Cities To Love, novo álbum da banda, lançado em janeiro de 2015. Até agora, Janet, Carrie e Corin se apresentaram sete vezes, todas nos Estados Unidos. Além das novas músicas, o set list dos shows conta com clássicos, como, Dig Me Out, One Beat, Jumpers, What's Mine It's Yours, Start Together, Get Up, Words and Guitar, Entertain, entre outras. Na fanpage do Sleater Kinney alguns set list foram divulgados.


Set List do primeiro show - Foto: Trisha Serrano



A fotógrafa Chona Kasinger mostrou para a Rolling Stone o backstage do primeiro show, e a alegria delas enche de amor o coração dos sleaterkinneyhead. Quer ver mais fotos ao vivo? Siga o perfil de Lance Bangs no Instagram. Além de ser marido da Corin, ele está fotografando e filmando alguns shows o que no futuro pode ser algo muito maravilhoso para nós. Para além da música, uma das novidades da banda é o novo cabelo de Carrie Brownstein, que está loira desde o primeiro show. Como não amar?!


Foto: Jesse Mullen 

Foto: Xander Deccio


E o que falar sobre o merch da banda?! Blusas, o novo disco, bolsas, está tudo lá. Um detalhe super bacana é o apoio de Sleater Kinney à organização Planned Parenthood Action (PPA), que defende os direitos reprodutivos das mulheres há mais de 100 anos. Além da ong estar participando do merch da tour, a artista Molly Schiot criou uma estampa de SK em apoio ao PPA, e claro, o valor da venda dessas blusas vai para a ong.

Fotos: Kristen Sales (colagem: CT)


10 videos to love


Claro, deixamos o melhor para o final. Selecionei vários vídeos de Sleater Kinney ao vivo e os coloquei na ordem cronológica dos shows. O critério foi qualidade de imagem e de áudio, por isso, não temos apenas vídeos do primeiro show. 

Se joga nessas Good Good Things! 


No Cities To Love @ Spokane (WA, 08/02)




No Athens @ Spokane (WA, 08/02)




Simpathy @ Spokane (WA, 08/02)




Dig Me Out @ Spokane (WA, 08/02)




One Beat e Hey Darling @ The Depot (Salt Lake City, 10/02)




No Cities To Love e Bury Our Friends @ The Depot (Salt Lake City, 10/02)




Jumpers @ The Depot (Salt Lake City, 10/02)





What's Mine It's Yours @ The Ogden Theater (Denver, 12/02)



One More Hour @ First Avenue (Minneapolis, 14/02)



Modern Girl @ First Avenue (Minneapolis, 14/02)


Bootleg - Sleater Kinney @ Ogden Theater (Denver)


Um serumano maravilhoso disponibilizou o audio completo do show em Denver, que rolou no dia 12 de fevereiro. Você pode baixar o áudio, ouvir sem parar e ser feliz para sempre =)  

 

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

revivere: As bandas ovulares do Riot Grrrl estão voltando!

Sleater Kinney volta a tocar e L7 e Babes in Toyland anunciam shows de reunião




2015 chegou há pouco tempo e está sendo melhor do que um sonho. Até agora, três bandas Riot Grrrls/de mulheres anunciaram que estão voltando a tocar, seja para shows de reunião ou em definitivo. Para quem nasceu nos anos 1980 e gosta e acredita na cultura Riot Grrrl, em mulheres empoderadas e inspiradoras, o momento é de tentar aproveitar para ver hoje bandas que fizeram história durante os anos 1990.


Mas, pera! Não sabe o que é o movimento Riot Grrrl? Sleater Kinney explica!



Até agora, Sleater Kinney foi a única banda que anunciou que está de volta. Após um hiato de quase dez anos, no dia 20 de janeiro elas lançaram o full lenght No Cities To Love e saem em tour do álbum nos Estados Unidos e Europa em fevereiro. Mas a volta de Carrie, Corin e Janet não veio sozinha, ainda bem. 

Donita Sparks e as L7 também aproveitaram o início do ano para dar mais boas notícias para as viciadas em música: além de show de reunião, elas divulgaram o KickStarter (financiamento coletivo) do documentário Pretend We're Dead, dirigido por Sarah Prince. A boa notícia é que elas estão quase atingindo a metade da meta. Confira o trailer:


A banda de Los Angeles até agora divulgou shows na Espanha e França e garantiu que outras datas serão acrescentadas. Quer saber porque elas voltaram? Vontade de tocar para quem gosta delas. Esses serão os primeiros shows da banda em 15 anos de hiato. 

Em janeiro Babes in Toyland anunciou shows de reunião em Los Angeles e no Reino Unido. O trio de Minneapolis volta com a formação do disco Fontanelle (1992), com Kat Bjelland, Maureen Herman e Lori Barbero. Kat disse ao site NME que elas voltaram por causa dos fás, que até hoje tem expectativa em ver a banda. Até agora, elas não falaram sobre novos álbuns ou uma volta permanente, mas mesmo apenas o show de reunião resgata o legado delas, e consequentemente, de uma geração de mulheres que criaram seu próprio espaço em uma cena e indústria machista e com pouca representatividade de mulheres roqueiras. 

Segura o forninho


Quem puder ir ao Primavera Sound Festival, em Barcelona, entre 25 e 31 de maio será feliz. Sleater Kinney, Babes in Toyland, The Julie Ruin, Ex Hex (banda da Mary Timony, que tocava com Janet Weiss e Carrie Brownstei no Wild Flag) vão tocar. A cereja do bolo é Patti Smith tocando Horses inteiro e mais um set acústico. Ufa, esse ano não está fácil para as apreciadoras dessas bandas divas.  
 

Erase Errata lançou Lost Weekend




Também no dia 20 de janeiro o trio post-punk/experimental de Oakland, Erase Errata, lançou após um hiato de quatro anos o álbum Lost Weekend, primeira gravação delas em oito anos. Atualmente, o trio é Jenny Hoyston, Ellie Ericksone Bianca Sparta. Até agora elas não anunciaram datas de shows, mas My Life in Shadows já tem clipe:


Se esse não é um janeiro incrível, não sabemos o que é! Ouça o stream do álbum e a entrevista que Meredith Graves (Perfect Pussy) fez com o trio. 

domingo, 25 de janeiro de 2015

Leia, assista e ouça: "No Cities To Love", novo álbum de Sleater Kinney

#1stMustRead: dez links sobre a volta de Janet, Corin e Carrie



Foi lançado no dia 20 de janeiro, No Cities To Love, o oitavo full lenght de Sleater Kinney. O disco quebrou o hiato indefinido da banda, que durou quase (longos) dez anos. Já contamos que o álbum acabou vazando pela próprio gravadora, a Sub Pop. Falando nela, é possível comprar duas versões do álbum, sendo uma tradicional e a outra deluxe. Com o novo disco, não ganhamos só incríveis músicas novas, mas toda sorte de fotos, vídeos, entrevistas e beleza das nossas lindeusas. Para você que não conseguiu acompanhar as boas coisas da divina trindade durante a semana, nós indicamos o que ler, ouvir e assistir para ficar muito bem servida de Sleater Kinney.

1. É possível ouvir o stream do álbum no canal do Youtube da Sub Pop
Mas lá é faixa a faixa e ninguém quer isso. Por isso, esse serumano disponibilizou o álbum completo para uma perfeita audição online!



2. Gentes famosas cantam No Cities To Love
Dias antes do lançamento do álbum, alguns amigos da banda cantaram a música que dá nome ao álbum e
NINGUÉM SAI! Ellen Page de cabelo curtinho lacrando! E J Mascis, Sarah Silverman, Fred Armisen, Miranda July, etc, etc. Repetindo: Ellen Page bofinha lacrando.



3. Carla, tem vídeo ao vivo delas?
Tem sim, flor. Veja o primeiro, delas tocando A New Wave no David Letterman.



4. O vocal poderoso da Corin? Vai bem, obrigada!
Quer ver? Confira um vídeo do trio tocando Suface Envy no Conan Show.



5. Se você viu os vídeos, viu que Katie Harkin agora faz parte da banda
Ela é a nova integrante para tours e shows de divulgação do novo álbum. Não, ela não toca baixo e sim guitarra, teclado e meia lua (ou algo parecido com isso) e faz parte também do Sky Larkin. Ouça um som deles e saiba mais sobre ela.

6. Quem fez o download do álbum via Sub Pop tem acesso a duas músicas extras (e que são maravilhosas, claro)
São elas a roqueira The Fog and Filthy Air e a tesuda Heavy When I Need It. Ouça!!

7. Para quem ouve em inglês, pfvr ouça essa entrevista ótima que a NPR fez com o melior trio punk do mundo. 

8. Se alguém falar que No Cities é um "álbum de reunião" ou qualquer outra bobagem sobre elas, pode tá esclarecendo que "Não é um reunião, é uma continuação".
É o que afirmou Carrie Brownstein para a Billboard. Isso porque "Sleater Kinney é um mecanismo que existe fora de nós três. Existe uma inevitabilidade nisso. É algo que nós podemos falar juntas e não podemos falar separadamente". É muita amorisadade e criatividade entre mulheres mesmo. Leia a entrevista, que é ótima.

9.Abbi Jacobson e Ilana Glazer, atrizes da série Broad City, entrevistaram SK. Tem o vídeo e também esse link com comentários sobre a entrevista. 

10. JAQUETAS. JA-QUE-TAS!!
As responsáveis por essas jaquetas que estão te dando inveja e vontade de sei lá o que são Kemal & Karla e esse é o Instagram pra seguir @kemalandkarla.