sexta-feira, 28 de junho de 2013

Aquelas que não dormem

Desenho e foto: Sista Kátia

Manifestações de esquerda e classe média sofre se espalharam pelo Brasil inteiro no último mês, e pautas distintas ocupam as ruas diariamente. Desde o início foi dito que um tal 'gigante' acordou. A frase, "O gigante acordou", retirada da campanha publicitária do uísque Johnny Walker, mostra a injusta percepção que xs brasileirxs tem dos movimentos sociais, inferindo que antes dos protestos o "país" estava em um profundo sono. Sendo que o contrário parece ser mais razoável: enquanto muitos dormiam, alguns grupos estavam acordados e sendo criminalizados pela mídia por estarem despertos, em busca de seus objetivos. 

Alguns poderiam estar roncando, mas outras não tem o privilégio. Por isso, muitas manifestantes logo disseram: o movimento feminista nunca dormiu. Não é uma possibilidade tirar um cochilo político e permitir que políticas públicas destruam a vida das mulheres. Lembra do Estatuto do Nascituro? Lembra das vítimas de violência doméstica, lesbofóbica e misógina? Lembra do sexismo? Quem consegue dormir bem desse jeito?

Marcha das Vadias DF

Não demorou muito para que víssemos, também, o reflexo da cultura machista, homofóbica e sexista nas manifestações - uma boa análise do assunto foi feito pela blogueira Jarid Arraes, do blog Mulher Dilética.
O princípio básico de conquistar algo ofendendo e deslegitimando a lutra de outros grupos  foi mantido por muitxs que comparecem aos protestos. A quantidade de cartazes machistas foi tão grande que o tumblr Tire seu machismo do caminho foi criado. A proposta é simples: juntar diversos cartazes sexistas, misóginos, homofóbicos, transfóbicos e machistas em um só lugar. 

Será que desenhando fica mais fácil entender? Imagem por Thaís Maranho

Se de um lado estava o sexismo, do outro as feministas, aquelas que não acordaram pois não dormiram,  se fizeram presentes. Na primeira manifestação de Salvador, dia 17 de junho, um grupo de feministas autônomas abriram uma faixa de quase 10 metros para dizer: Passe Livre, Ventre Livre. Se para alguns é óbvio, para outrxs é necessário um certo esforço para entender que se uma mudança só beneficia quem sempre teve privilégios, ela não é uma mudança, é apenas uma manutenção de privilégios que já foram assegurados constitucionalmente e socialmente.  

Feministas autônomas na manifestação de Salvador

Ao  mesmo tempo que é desanimador ver o sexismo estampado em cartazes, saber da violência - seja ela policial ou praticada por manifestantes - que mulheres, gays, lésbicas e transsexuais são vítimas em manifestações e fora dela, é bom saber ver os blocos feministas nas manifestações, afinal de contas não podemos nos dar ao luxo de "dormir". Se fizermos isso, como estarão as coisas no dia seguinte?

2 comentários:

coffeeboy disse...

Carla, posso usar seu texto numa edição especial do zine Meus Amigos Bebem Muito Café?

Maura C. Parvatis disse...

Opa, excelente reflexão! :D

Eu fiquei assustada com a quantidade de cartazes e declarações sexistas que vi após a 'grande saída pras ruas' aqui em SP, um colega mostrou-me a frase envolvendo a mãe do Haddad e cara... Triste ler, saber de pessoas que leem essas coisas, pensam e acham normal :X