sábado, 13 de fevereiro de 2010

Livro "Girls Zines: Making Media, Doing Feminism" fala sobre zines e Riot Grrrl

Girls Zines: making media, doing feminism [livre-tradução: Zines de Garotas: fazendo mídia, fazendo feminismo] é um livro escrito por Alison Piepmeier que compila e organiza 20 anos de zines feitos por garotas, zines que datam a época do Riot Grrrl e seu boom de zines feministas nos EUA.

Os zines como forma de expressão e a tomada deles por essas mulheres transformaram-o em um elemento importante dentro do Riot Grrrl, documentando e registrando a história que aquelas mulheres estavam fazendo, além de estimular tantas outras a fazerem o mesmo. Para o livro foram cedidos zines por suas editoras, como Jigsaw (Tobi Vail), I'm So Fucking Beautiful (Nomy Lamm), entre e outros.



Alison Piepmeier é professora universitária na Universidade de Charleston (Carolina do Sul) e além dela existem várias outras professoras e pesquisadoras feministas que estão resgatando esses zines e os levando para a academia. Não digo que a visibilidade acadêmica seja tão determinante para os zines, mas falando em zines feitos por garotas considero essa visibilidade importante e necessária, porque essas pesquisadoras estão analisando um pedaço específico da produção cultural feita por mulheres, além de incluir os zines e o movimento Riot Grrrl como parte da história. E isso é importante né, no senso comum não é frequente o registro e reconhecimento de cultura feita mulheres. Para uma prévia do livro (em inglês) veja aqui.

Originais doados por Kathleen Hanna para a Fales Library - Foto: HannaHorovitz
Para reiterar a importância do registro de zines, e de zines feministas vale comentar que Kathleen Hanna doou seu acervo pessoal e seus zines para a biblioteca de Fales, que fica na Universidade de Nova Iorque (NYU). Isso permite que qualquer pessoa visite os arquivos e veja os zines originais. Eles não estão presos em gavetas cheias de poeira e no esquecimento. Eles estão em um local público e dizendo que aquelas mulheres e aquela realidade existiu. Ainda no clima de registro e memória: foi criado o Bikini Kill Archieve, onde as BK convidam quem gosta da banda compartilharem como conheceram a banda, lembranças de shows e etc. É sobre dividir herstory.

Nesse vídeo Kathleen Hanna fala sobre as similaridades e diferenças entre blogar e escrever zines (em inglês)

2 comentários:

Julie disse...

Atrasada com as notícias, como sempre, aqui estou eu... também aceito o livro de presente! "Não digo que a visibilidade acadêmica seja puramente importante e necessária"... mas a iniciativa é legal, hein! :)
Ah, vi o link da Íris no documentário em algum lugar e não assisti ainda, preciso ver! tô curiosa!
Beijo, Cá!

Green Womyn disse...

Ai, como eu quero esse livro!