sábado, 12 de setembro de 2015

listamos: As 15 músicas mais pesadas de Sleater-Kinney



Para quem é viciada em música, não basta apenas ouvir e/ou saber a letra, ir aos shows da banda, ter a blusa e um poster na parede. E nem de longe tentaria definir como uma viciada em música age pois isso não me interessa. Identifico esse tipo de pessoa a partir da relação que ela estabelece com a banda e as várias implicações disso. Dito isso, acredito que o termo "música pesada" tem significados múltiplos e distintos para cada ouvido. Pode ter uma conotação puramente sonora, relacionada às letras e a mais interessante para mim é quando o termo designa a carga emocional de uma canção.

O "música pesada" desta lista significa justamente isso, a carga emocional que a música carrega - tanto de quem a fez quanto a de quem ouve - e que a torna diferente das outras. Nem melhor, nem pior, apenas diferente. Esse peso é aquela fagulha que te permite sentir a ligação cósmica entre as vozes e guitarras de Corin-Carrie e a bateria da Janet. E essa ligação entra em você como se fosse uma força, como se fosse futuro, como se fosse a sua droga preferida, como se fosse a memória feliz que te ajuda a conjurar o seu patrono, como se fosse a sua infância e aqueles sentimentos e sensações que você só consegue entender com música. Em uma entrevista para a Rolling Stone em janeiro deste ano a Carrie disse isso:

"I feel like Corin knows the map of my veins. And you don’t always want someone to know those things"

E é isso também um pouco o que uma "música pesada" é para mim.

Arrisco a dizer que os carros chefes de músicas pesadas de Sleater-Kinney são os álbuns Call The Doctor (1996) e The Hot Rock (1999). Mas claro que em outros álbuns encontramos esses sons que nos deixam no chão, porque esse peso é inerente à música que está dentro delas. Acho que é possível chegar a um consenso sobre quais são as músicas pesadas delas, mas não a qual é a mais ou menos. Essa lista não tem interesse em sugerir a mais pesada, por isso a ordem será de acordo com os álbuns. Os critérios de seleção das "músicas pesadas", foram: carga emocional da música, letra e o climão que o som proporciona.

PS: Talvez essa lista tenha mais sentido pra mim e minhas amigues porque a categoria de "música pesada" é abstrata e subjetiva. O objetivo dessa lista não é ser definitiva ou um tratado. 
Achou que faltou algum som? Como seria a tua lista? 


Vamos lá?


Self Titled (1995)

Slow Song - Aquele respiro, sabe? Os melhores riffs da vida já no primeiro álbum. Elas são deusas assim.



Call The Doctor (1996)

Anonymous - é uma tentativa. Da garota que falou de mais. Tudo o que ela tinha eram as palavras, mas no fim ela estava apenas enganando a si mesma. Corin e Carie repetindo "anonymous" é quase uma espiral que te suga pra você olhar pro que você fez. Pro que você se tornou e pro que você fugiu.




Good Things - Não há absolutamente nada de leve nessa música. O riff inicial é de deixar o coração fazendo um movimento estranho enquanto ele bate. É a música que ensina: "some things you lose, some things you give away".



My Stuff

"Leave me without a God, without belief, without a cause
Without a path that I should take, without a choice that I should make
Such an easy thought and now I had it but I lost it
I guess I need your help and now I guess I need your help and now I"












Dig Me Out (1997)

Dig Me Out - Hits podem ser pesados sim. Especialmente quando estamos falando desta música.



One More Hour -  Dançar sobre nossos corações partidos é purificador.



Things You Say - Essa não é nem tão pesada, mas quando ouço sempre dou uma murchadinha. Fica um pouco de vida pra fora me lembrando que "it is brave to feel to be alive".







The Hot Rock (1999)

God is a Number - Se você ouve rápido talvez não se ligue no peso. Mas a partir de 2 minutos de som tudo fica mais obscuro. Os riffs se intensificam, Corin começa a murmurar e depois a gritar "I need something to believe". O que as vezes penso ser uma verdade universal.



Don't Talk Like - Don't Talk Like está para Good Things no quesito peso assim como No Cities To Love está para A New Wave no quesito animação. Os solinhos destruidores de um lado, do outro a guitarra abafada e a Janet só nos pratos enquanto a Corin nos mostra que há uma parte de todo mundo que funciona como se fosse uma criança. Isso é belo pela leveza de ser criança e pode ser venenoso por não conseguir deixar de ser essa criança.



Get Up"Do you think I'm an animal? Am I not?"






The Size of our Love - Pelo amor da deusa né gente, eu não preciso falar absolutamente nada sobre essa música que até um violino depret de fundo tem, que se mescla na voz da Carrie como aquele gole de uma bebida que desce do jeito que você precisa.




Memorize Your Lines - Se eu explicar essa é porque a gente não está entendendo nada sobre Sleater-Kinney.





All Hands on the Bad One (2000)

Was it a lie - Elas sabem deixar a gente no chão.




One Beat (2002)

One Beat - A música fala por ela mesma. Fiz um post todo só sobre a música e o álbum, bem aqui.





The Woods (2005)

What's Mine Is Yours - Essa música é more than a feeling. Quem não se meche ouvindo o riff inicial é porque olhou no olho da Medusa e foi transformada em pedra.





E o alívio de terminar a lista e de ouvir esses somzão pesadão: 

8 comentários:

a better version of me disse...

Que ideia linda, Ca! Conta quem participou! Puni tá envolvida nisso? Conheci ela e Halina nesta semana. <3
A minha seria algo como: Little mouth, Call the doctor (pesadíssima!), One more hour, Youth decay ("Am i rotting out? Daddy says i got my mama's mouth!" - tenso! Pesada também para quem tem desordens alimentares), #1 must have, The drama you've been craving, One beat, The end of you (o nome já me pesa!), Burn Don't Freeze (da minha parte, lógico!), God is a number, The size of our love, Get up.

boredcarla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
boredcarla disse...

Oi Ju! A lista foi feita por mim, ninguém mais colaborou. Foi muito bom fazer esse post e fazer essas divagações todas. Call the doctor é pesadona demaais e youth decay também.. No último zine que fiz coloquei a letra toda. Aliás, depois quero te mandar as coisas novas que fiz. Ah, e a Puni e Halina são incríveis né? <3

Sofia disse...

Eu tenho um carinho imenso e pesado por Last Song. É empoderamento pesado, é aquela despedida radical em busca de auto-cuidado. One more ouro parece leve perto de last song.
Já the size of our love, já amava antes dela ter sido responsável pela minha paz durante um tempo atrás.

a better version of me disse...

Ca, em algum momento eu entendi que amigues colaboraram com a lista, por isso perguntei sobre a Puni (sim, ela e Halina são incríveis!).
Quero ver suas coisas novas, sim! :) Sinto sua falta. Eu posso te mandar um zine em francês, que fiz para um trabalho do curso no ano passado, é a única coisa nova bonita e impressa que tenho. ;p

boredcarla disse...

Oi Sofia, que lindo te ouvir! Obrigada por compartilhar um pouco de como são as músicas pra você. Pessoalmente acho lindo sempre ouvir esse tipo de relato.

boredcarla disse...

Oi Ju! Claro, me mande ele. Se algum dia eu aprender francês vou poder entender o zine totalmente. Enquanto isso, eu admiro suas colagens e o zine em sua totalidade. Sim!! Também sinto sua falta. Estou me organizando pra mandar vários pacotes atrasados e vou colocar o seu nessa leva =)

magdiel araujo disse...

Aaaaaah e ainda faltaria mais músicas aí. A minha favorita é One Beat. Quando ouço me dá vontade de cantar bem auto. Mas geralmente quando rola ela na minha playlist, eu to no ônibus.-.